www.fcv.org.br

Artigos

25/03/2014 - 11h23m - Atualizado em 09/01/2018 - 14h31m

Versão para impressão
Enviar por e-mail
Início de ano é um período onde muitos aproveitam para viajar. Já que estamos desfrutando da estação mais esperada do ano, o verão, período que é comumente associado a praia, piscina, férias e atividades ao ar livre. Porém, essa estimada estação possui uma característica que muitos não gostam: as temidas chuvas de verão.
No verão, os dias são mais longos que as noites. A intensa quantidade de radiação solar que é emitida favorece o aumento das temperaturas, da precipitação, da umidade relativa do ar. Durante o dia, essa radiação causa um grande aquecimento, o que contribui com a ocorrência das chuvas de verão que acontecem principalmente no período da tarde e são geralmente acompanhadas de trovoadas, descargas elétricas, rajadas de ventos e até mesmo granizo.

As chuvas de verão acontecem pelo movimento de massas de ar quente que sobem e condensam, ocorrendo principalmente devida diferença de temperatura entre as camadas próximas a atmosfera terrestre. Possuem uma curta duração e abrangem pequenas áreas, porém, são de grande intensidade.

A ocorrência de chuvas nessa estação é de extrema importância para um bom funcionamento da natureza. Com elas há uma melhora na qualidade do ar, as vegetações se mantém vivas e saudáveis, mata-se a sede dos animais e há o abastecimento de rios e lagos. A existência dos poços artesianos, por exemplo, muito utilizado para a obtenção de água potável, depende do abastecimento do aquífero através da água das chuvas de verão. 

No Brasil as estações inverno e verão também possuem outra característica além da temperatura. O inverno é uma estação seca, já o verão é chuvoso. É importante entendermos que as chuvas que caem no final da primavera se estendendo pelo verão são essenciais para a manutenção da biota, pois são essas que abastecem as nascentes, que consequentemente irão suprir os poços artesianos, córregos, rios e lagos, e assim toda a vida existente no país. Porém, as mudanças climáticas que vem ocorrendo no decorrer dos anos, influenciam na frequência com que essas chuvas caem, consequentemente, influenciando no abastecimento dos aquíferos que realizam a manutenção das águas durante todo o ano, gerando o grande problema, já que as chuvas decorrentes das demais estações não conseguem atingir grandes profundidades no solo.

E o que podemos fazer para diminuir as alterações climáticas? Podemos reduzir a emissão de gases que agravam o efeito estufa impedindo o aumento da temperatura do planeta. Ao sermos conscientes na utilização das energias que consumimos, por exemplo, estamos contribuindo com a construção de um futuro melhor para as próximas gerações, e esta é apenas umas das muitas atitudes conscientes e sustentáveis que podemos adotar como prática.