www.fcv.org.br

Artigos

Imprensa

26/07/2017 - 11h36m - Atualizado em 26/07/2017 - 16h31m

Versão para impressão
Enviar por e-mail
Conceder aos colaboradores um espaço para que eles possam expressar opiniões, manifestar sobre a satisfação realista do ambiente de trabalho vivenciado por cada um, essa é a proposta da Pesquisa de Clima Organizacional realizada na Fundação Cristiano Varella desde 2008 pelo setor de Recrutamento e Seleção. Nesse ano, acontece a 8ª edição da iniciativa, que é promovida a cada dois anos. 

A abordagem dos colaboradores - público-alvo da ação -, que no final do mês de junho, somavam 986, teve início nessa segunda-feira(24) e termina na quinta-feira(27). Foram instituídas diversas opções de horários para alcançar o maior número possível de colaboradores. A princípio, quando começou a ser realizada, a iniciativa acontecia anualmente e a partir de 2015, passou a ser promovida a cada dois anos. 

De acordo com Raquel Núbia F. Ferreira, psicóloga e supervisora da Gestão de Pessoas, que está à frente na organização da pesquisa, o objetivo de ir em busca dessa visão realista da satisfação do colaborador é "para que possamos mapear a eficácia das ações implementadas durante o ano", com a finalidade de que sejam traçados planos de ação de melhoria para trabalhar mediante ao que for pontuado na pesquisa. Ela ainda acrescentou, "visando sempre atender à demanda das equipes de trabalho, proporcionando assim, um ambiente de trabalho saudável e estimulante", afirmou Raquel. 

Para a realização da Pesquisa de Clima 2017, o setor de Recrutamento e Seleção teve o apoio da Gestão da Qualidade, Administração de Pessoal, Centro de Educação Corporativa, Tecnologia da Informação e do Marketing do Hospital do Câncer de Muriaé da Fundação Cristiano Varella.

Ao longo dos anos foram implementadas ações de melhorias na pesquisa, esse é o primeiro ano que a iniciativa é feita de forma informatizada, os questionários que antes eram impressos foram 
substituídos por um questionário inserido em sistema operacional próprio da instituição, intitulado de Interact, onde o colaborador tem acesso por meio de um login único. "Esta nova metodologia facilitará a tabulação dos dados e, consequentemente, a análise e a divulgação dos resultados", explicou Raquel. 

A meta estipulada para esse ano é de 75% de satisfação do colaborador. Para os idealizadores da pesquisa o mais importante é ter conhecimento sobre o que os colaboradores pensam a respeito dos itens tratados, visando a tomada de decisões acertadas, de maneira objetiva, atendendo dentro do possível, ao que realmente é importante para a força de trabalho da instituição. O questionário foi formulado totalizando 28 questões referentes ao nível de satisfação com o gestor, com a comunicação interna da instituição, entre outros assuntos. 

Ao ser abordada sobre a importância da pesquisa para a Fundação Cristiano Varella, Raquel Núbia disse, "a Pesquisa de Clima organizacional é uma das melhores ferramentas de Gestão utilizadas para definições de ações a serem trabalhadas durante o ano, pois possibilita o aumento da satisfação e a retenção dos colaboradores", ressaltou ela. 

O prazo para os colaboradores responderem a pesquisa encerra nessa quinta-feira(27) e, baseando-se no histórico satisfatório de envolvimento do público-alvo da ação, que é constatado ao longo de todos os anos, os organizadores da iniciativa estão esperançosos de que o resultado a ser obtido seja o mais produtivo possível, pois, conforme destacou a psicóloga, "esse é o meio mais seguro e eficaz que os colaboradores têm de dar um relato pessoal e profissional sobre os processos da Instituição". 







19/07/2017 - 15h05m - Atualizado em 19/07/2017 - 16h33m

Versão para impressão
Enviar por e-mail
Uma reunião realizada na segunda-feira, dia 17, na Secretaria de Estado da Saúde de Minas Gerais (SES/MG), em Belo Horizonte, iniciou o alinhamento para a manutenção do serviço de oncologia em Cataguases. Conforme explicou o secretário municipal de Saúde, Eliermes Teixeira, com o aval da SES, mesmo com o descredenciamento do Hospital de Cataguases para o serviço, provocada pela saída do Instituto Oncológico da cidade, o município passará a contar com uma unidade de atendimento da Fundação Cristiano Varella.

"O município intermediou várias saídas para o impasse entre o Hospital de Cataguases e o Instituto Oncológico. Infelizmente, não houve acordo entre as partes. Sendo assim, a Secretaria de Saúde buscou nova alternativa, através da Fundação Cristiano Varella de Muriaé, onde já está habilitada para o serviço. Nesta reunião, inclusive, ficou alinhado que o credenciamento do serviço de oncologia de Muriaé acontecerá com a instalação desta unidade de atendimento em Cataguases, visto que nosso município atende também diversos outras cidades vizinhas", afirmou o secretário Eliermes Teixeira.

A reunião em Belo Horizonte contou com a presença do Prefeito Willian, do vereador Vinícius Machado, de representantes da Gerência Regional de Saúde de Leopoldina e de Ubá, de representantes da coordenação estadual de oncologia da SES, além de Sérgio Henriques, Diretor Administrativo da Fundação Cristiano Varella, que demonstrou o interesse da instituição em estar presente em Cataguases. "De nossa parte, estamos dispostos e temos todo o interesse em manter uma base nossa em Cataguases. Precisamos, primeiramente, levantar as informações necessárias sobre o serviço de oncologia que é oferecido hoje, para podermos manter o serviço com toda a qualidade que caracteriza nossa fundação", disse na reunião o diretor da FCV.

O secretário de Saúde se disse bastante confiante e satisfeito com a reunião, reiterando o alto nível do atendimento da Fundação Cristiano Varella. "Nossa expectativa é a melhor possível, pois sabemos que estaremos dando o melhor aos nossos pacientes. Talvez, num primeiro momento, seja necessário levá-los para o tratamento em Muriaé, até que a unidade de atendimento da Fundação Cristiano Varella esteja funcionando plenamente na cidade. Esperamos que entre trinta e sessenta dias, sejam levantados todos os dados necessários, como a quantidade de pacientes, e sejam instalados equipamentos e designado o corpo médico", explicou Eliermes. Ele informou ainda que o município passará a atuar como porta de entrada dos pacientes, através de suas unidades de saúde, o que não vinha acontecendo nos anos anteriores.

O prefeito Willian saiu satisfeito da reunião, ressaltando o passo importante que Cataguases está dando no atendimento oncológico. "Nossa preocupação é, principalmente, com as pessoas e, por isso, buscamos oferecer um serviço de qualidade, como o da Fundação Cristiano Varella. Acima de tudo, estamos solidários com aqueles que lutam contra esta doença, e queremos que nossa cidade proporcione um tratamento humanizado e de excelência. O importante é deixar claro que não haverá qualquer interrupção no tratamento de oncologia para os pacientes de Cataguases, quanto a isso, quero tranquilizar a todos", afirmou o prefeito.

No último dia 19 pela manhã, Sérgio Henriques, Diretor Administrativo da Fundação Cristiano Varella, compareceu a cidade de Cataguases para conhecer o atual local onde funciona o serviço de oncologia clínica. Sérgio afirmou que agora é o momento de aguardarmos os trâmites burocráticos da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais para que a Fundação Cristiano Varella possa receber os pacientes na instituição. "Num primeiro momento estaremos absorvendo a demanda aqui em Muriaé e continuaremos fazendo os estudos necessários em conjunto com a Secretaria Municipal de Saúde de Cataguases para a implantação do serviço adicional na cidade", concluiu Sérgio.

FONTE: Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Cataguases e Fundação Cristiano Varella







19/07/2017 - 11h20m

Versão para impressão
Enviar por e-mail
Com o objetivo de alcançar a maior quantidade possível de pessoas, além de ser uma oportunidade para troca de experiências e fortalecimento psicológico dos pacientes e acompanhantes hospedados na Casa de Apoio para encarar o tratamento contra o câncer, foi criado o Grupo Conviver. Nesta quarta-feira (19) foi realizado na Casa de Apoio da Fundação Cristiano Varella o segundo encontro do grupo, que acontece todas as quartas-feiras, às 8h30. As reuniões são dirigidas por Samara Dias, psicóloga da Unidade de internação clínica do Hospital do Câncer de Muriaé e da Casa de Apoio. 

O tema abordado por Samara na ocasião foi autoestima, através de dinâmica utilizando bolas de soprar, leitura de texto previamente selecionado para a reunião, entre outras ações. A psicóloga lembrou aos participantes que estar bem deve ser algo que não dependa apenas de outras pessoas, ou circunstâncias, "o ideal é que a gente se sinta bem também reconhecendo as coisas boas que a gente tem, nossas qualidades", disse ela ao explorar o tema em um bate-papo com os presentes.    

De acordo com Samara, a ideia de instituir esse tipo de atividade surgiu, a partir do momento que houve a percepção de que a demanda dos hóspedes (pacientes e acompanhantes) da Casa de Apoio era diferente e exigia atividades mais dinâmicas e atrativas. 

Durante as reuniões são realizadas atividades de arte-terapia, dinâmicas, abre-se espaço para que as pessoas possam se manifestar, no sentido de emitir opiniões, trocar experiências vividas, "para que um possa fortalecer o outro com sua experiência", completou Samara. 

Para a realização das atividades do "Conviver" foi feita uma parceria interna com a Gestão Ambiental da Fundação Cristiano Varella, que fornecerá material ao grupo para ações de reciclagem durante os encontros. 






14/07/2017 - 11h58m - Atualizado em 14/07/2017 - 12h08m

Versão para impressão
Enviar por e-mail
A Fundação Cristiano Varella foi representada no III Congresso de Oncologia realizado pelo Hospital São Domingos, nos últimos dias 5 a 7, em São Luis/MA. Na ocasião, aconteceram também, o III Simpósio de Enfermagem e o III Simpósio Multidisciplinar. Durante o encontro, o Hospital do Câncer de Muriaé foi representado pela Dra. Flávia Ribeiro Vital, fisioterapeuta coordenadora do setor de fisioterapia da instituição.

O III Congresso de Oncologia abordou o tema "Personalizando o tratamento oncológico", o III Simpósio de Enfermagem adotou como tema principal "O enfermeiro rumo à excelência", já o III Simpósio Multidisciplinar analisou junto aos inscritos o seguinte assunto, "Assistência oncológica integrada e segura".

O evento teve como público-alvo profissionais da área de saúde, entre eles, médicos, enfermeiros, psicólogos, fisioterapeutas, nutricionistas, terapeutas ocupacionais, fonoaudiólogos, farmacêuticos e outros. O objetivo da iniciativa foi discutir as principais novidades no diagnóstico e tratamento do câncer, abordando temas pertinentes para o dia a dia dos profissionais de saúde.

A representante da Fundação Cristiano Varella participou do encontro atuando como palestrante. Em suas abordagens, Dra. Flávia Vital ministrou sobre dois temas distintos, "Fisioterapia: Prevenindo as complicações pós-operatórias", assunto apresentado como palestra e discutido na mesa redonda de oncoplastia do III Congresso de Oncologia. Já o outro tema discutido pela fisioterapeuta foi "Atividade física para o paciente oncológico", palestra apresentada no III Simpósio Multidisciplinar.






13/07/2017 - 14h49m - Atualizado em 13/07/2017 - 16h37m

Versão para impressão
Enviar por e-mail
Clima frio e temperaturas baixas pedem alguns cuidados a mais com a saúde. Pois, existem algumas doenças respiratórias que são mais comuns de ocorrem durante o inverno, entre elas, resfriados, gripes, pneumonias, além de crises de asma e bronquite. 

Segundo o pneumologista Waldo Mattos, do Grupo Hospitalar Conceição, a exposição ao frio agrava várias doenças respiratórias. "Isso ocorre devido ao efeito danoso direto do frio sobre o epitélio da via aérea, tecido que reveste a mucosa das fossas nasais". De acordo com o médico, outro fator que contribui para o aparecimento de doenças respiratórias no inverno é o hábito de permanecer em ambientes fechados por mais tempo, para se aquecer. "Isso eleva o índice de infecções virais", explica o médico.

Gripes e resfriados
A gripe e os resfriados são causados por vírus, porém a gripe é mais agressiva na população infantil e nos idosos, bem como em pessoas com imunidade baixa, existindo maior possibilidade de complicações. 

Rinite alérgica
A rinite alérgica é desencadeada normalmente por contato com mofo, poeira, pólen entres outros elementos. Pessoas que tem alergia na verdade possuem um organismo que reage com uma defesa exagerada a algumas substancias que não são agressivas em pessoas comuns.

Asma
A asma é uma doença comum no Brasil e geralmente é descoberta na infância. Dá-se pelo inchaço e estreitamento dos canais de ar dos pulmões, dificultando assim, a passagem do ar. Pessoas em crise de asma têm problemas de respiração, falta de ar, aperto no peito, tosse e às vezes sensação de sufocamento. Existem medicamentos gratuitos contra asma disponibilizados para a população através do governo federal. 

Bronquite aguda ou crônica
A bronquite, que é uma inflamação nos canais que conduzem o ar para os pulmões, os brônquios, pode ser aguda ou crônica. Manifestando-se muitas vezes após casos de gripe ou resfriado e causada pelos mesmos vírus destas doenças, a bronquite aguda pode durar cerca de 10 dias. As crises de bronquite aguda podem ser elevadas pelo contato com fatores irritantes, principalmente fumaça de cigarro.

Já a bronquite crônica ocorre quando a pessoa tem crises mais de três vezes por ano. Dos sintomas mais comuns é possível relatar a tosse com muita expectoração, febre, chiado no peito e a dificuldade de respirar. O tratamento com os remédios indicados por um médico e a nebulização são as melhores recomendações para a melhora de crises.

Pneumonia
As pneumonias são infecções que se instalam nos pulmões. Podem ser causadas por vários microrganismos diferentes (bactérias, vírus, fungos) e por reações alérgicas no espaço alveolar, onde ocorre a troca gasosa. Esse local deve estar sempre muito limpo, livre de substâncias que possam impedir o contato do ar com o sangue.

Segundo chefe do Serviço de Otorrinolaringologia do HGB, Heráclio Cavalcanti, a exposição a substâncias irritantes, como fumaça de cigarro, poeira, umidade, mofo são os principais fatores que favorecem o aparecimento de doenças respiratórias. O médico orienta buscar auxílio médico em caso de piora. "É recomendável procurar os postos de saúde para tratamento", explica.

Cuidados que devem ser adotados:
  • Lavar bem as mãos. Manter as mãos higienizadas principalmente antes e depois de se alimentar, após espirrar ou tossir e depois de usar o banheiro.
  • Manter uma alimentação balanceada e rica em alimentos naturais. Consumir frutas e verduras que contenham vitamina C como laranja, limão, couve, rúcula e outros.
  • Ter uma boa noite de sono é essencial para manter a saúde em dia.
  • Praticar atividade física regularmente.
  • Em climas secos é comum o aumento de casos de sinusite. É recomendável o uso de um umidificador de ar no ambiente.
  • Recomenda-se a ingestão de muito líquido para facilitar a expectoração.
*Fonte: texto adaptado do Ministério da Saúde





10/07/2017 - 10h17m - Atualizado em 10/07/2017 - 13h13m

Versão para impressão
Enviar por e-mail
Em um ambiente familiar envolvido por muita alegria e descontração foi realizado na noite dessa sexta-feira (07), na Casa de Apoio, o 10º Arraiá da Fundação Cristiano Varella. Esse foi o segundo ano que o já tradicional evento foi aberto para a comunidade em geral. 

O arraiá contou com a presença de um grande público, sendo considerado por todos um sucesso. A entrada foi a doação de uma caixa de leite. Foram arrecadados no total, cerca de 818 litros de leite. 

A iniciativa foi realizada por uma comissão formada por colaboradores do Hospital do Câncer de Muriaé com apoio de parceiros. Comidas típicas, barracas de bebidas, de doces, espaço com brinquedos para a criançada, presença de DJ, bingos, sorteio de brindes, de rifa com premiação de uma bicicleta, além de uma decoração especial fizeram parte da festividade.

O sortudo que ganhou a bicicleta foi Ferdinan Neves, morador da Rua Professora Maria Lobato, Bairro Barra, Muriaé. 

O show ficou por conta da dupla sertaneja Marcelo & Wesley que assumiu o palco da festa colocando todos para cantar e dançar. Os cantores se apresentaram utilizando a estrutura da Boate Four de Muriaé. 

O 10º Arraiá da Fundação Cristiano Varella foi realizado com o apoio dos seguintes parceiros: Gráfica e Editora Juizforana, Factoring Petrus, Rede Uai Supermercados, Grupo Nutrir, Paschoal Parafusos e Ferramentas, Mercadão Levate Barra, Megaacesso Internet de Qualidade, Comercial Santos, Supermercados Bazinho, Karlos Papelaria, Mercado Central de Miradouro, Interfix Médical, Vereador Reginaldo Roriz, Laticínios Miluza, Patolab Consultoria em Patologia e Análises Clínicas e Microbiologia, Café Garoto, Labcaseus, Sacolão do Davi, Francinei Vasques, Hortibarra, Padaria Pannebolo, Padaria Imperial, Mário Sérgio - Puríssima Minas e Abatedouro Rio Minas.

Toda renda arrecadada na festa será revertida para o tratamento dos pacientes do Hospital do Câncer de Muriaé da Fundação Cristiano Varella. 

A Fundação Cristiano Varella agradece imensamente a todos que compareceram e apoiaram de alguma forma a realização do evento. Sem a participação de vocês a festa não teria sido completa. Registramos aqui a nossa gratidão... e até a próxima! 






30/06/2017 - 11h24m - Atualizado em 30/06/2017 - 11h25m

Versão para impressão
Enviar por e-mail
No dia 29 de junho, foi realizado no Centro de Educação Corporativa (CEC) da Fundação Cristiano Varella, um treinamento motivacional voltado para nossos recepcionistas. A palestra foi ministrada por Arthur Goulart, colaborador do setor de Tecnologia da Informação da FCV. O tema principal foi: "O Poder da Resiliência", onde foi abordado assuntos de como encarar a crise e os momentos difíceis que estamos passando, bem como se adaptar da melhor maneira às mudanças importas por esta crise.  

O conceito de resiliência para as Ciências Humanas é "a capacidade de o indivíduo sobrepor-se e construir-se positivamente frente às adversidades". Pessoas resilientes conseguem superar um trauma sem sofrer as consequências negativas do stress, como distúrbios psicossomáticos, ou seja, enfermidades físicas e emocionais. Toda esta capacidade de superação ocorre originada de uma grande energia interior. 

A peculiaridade da resiliência está no fato da pessoa poder escolher como quer perceber e responder às situações adversas. A resiliência permite uma mudança significativa nas atitudes e na qualidade de vida da pessoa diante do caos do dia a dia, das cobranças, prazos, pressões, muita tensão e stress acumulado. Isso não significa ausência de dores emocionais, a diferença consiste na forma de vivenciá-las. Pessoas resilientes apresentam grande capacidade de adaptação. 

De acordo com Arabel Pereira, recepcionista do Ambulatório de QT, o treinamento foi "top"... "O Arthur conseguiu mostrar pra gente como viver e conviver com estes momentos difíceis que estamos passando. Além disso, ele demonstrou muita sabedoria sobre o assunto. Normalmente quando falam com a gente sobre treinamento motivacional, nós achamos muito chato (rsrsrs), mas este treinamento foi maravilhoso e fundamental para nós".






30/06/2017 - 09h37m - Atualizado em 30/06/2017 - 11h28m

Versão para impressão
Enviar por e-mail
Durante todo o mês de julho, a Associação de Câncer de Boca e Garganta - ACBG Brasil realiza uma campanha de conscientização sobre a doença e a Fundação Cristiano Varella vai aderir a esta mobilização. Em 27 de julho é celebrado o Dia Mundial de Conscientização e Combate ao Câncer de Cabeça e Pescoço. Segundo estimativas do Instituto Nacional de Câncer (Inca), anualmente são registrados no mundo, cerca de 23 mil novos casos da doença. 

A proposta é utilizar a cor verde e a hashtag "#julhoverde" para disseminar a informação sobre o tema e atingir o maior número possível de pessoas, com ações na internet, redes sociais e nas ruas. A iniciativa quer estimular a prevenção "boca a boca", já que a boca é alvo da doença, e dela deve sair a mensagem de alerta. 

"Precisamos esclarecer a população sobre os fatores de risco e a informação certa é o primeiro passo que pode levar ao diagnóstico precoce. Essa doença pode ser curada se detectada no início, com a própria pessoa podendo fazer um autoexame e identificar se existem feridas na boca que não cicatrizam há mais de duas semanas" destaca a presidente de honra e fundadora da ACBG Brasil, Melissa A. R. Medeiros. 

Os tumores malignos de cabeça e pescoço correspondem a 3% de todos os tipos de câncer e é o quinto entre os homens aqui no Brasil. São cerca de 10 mil mortes por ano no país. Além dos óbitos, os pacientes sobreviventes enfrentam perda significativa da qualidade de vida durante e após o tratamento. 

A doença 

Os tumores de cabeça e pescoço são uma denominação genérica do câncer que se localiza em regiões como boca, língua, palato mole e duro, gengivas, bochechas, amígdalas, faringe, laringe (onde é formada a voz), esôfago, tireoide e seios paranasais. Anualmente, cerca de 700 mil novos casos diagnosticados no mundo. No Brasil, também há o crescimento da incidência e o câncer de boca chega a ser o 4º tipo de tumor mais frequente em algumas regiões do país, ocorrendo 3 vezes mais em homens do que em mulheres. 

Um dos principais problemas para o tratamento é o diagnóstico tardio, que ocorre em 60% dos casos, com impacto negativo na sobrevida do paciente. Outro alerta é em relação à faixa etária dos indivíduos diagnosticados com tumores de boca e garganta, que reduziu significativamente nas últimas décadas, com um grande aumento de casos entre mulheres e jovens. O tabaco é responsável por 97% dos diagnósticos de câncer de laringe. O álcool associado ao fumo aumenta o risco em 5 vezes para câncer nessa região. A infecção pelo HPV (papilomavírus humano) também contribui com o aumento na incidência da doença em jovens nos últimos anos em virtude da falta de uso de preservativos na prática do sexo oral, por exemplo.

O câncer de cabeça e pescoço, independentemente da modalidade terapêutica escolhida (cirurgia, radio e/ou quimioterapia), causa sequelas psicológicas e anátomo-funcionais irreversíveis para qualidade de vida do paciente.  

O Hospital do Câncer de Muriaé da Fundação Cristiano Varella considera ser de grande importância a propagação dessa campanha, uma vez que a pessoa com a informação correta de quais são os sintomas do câncer de boca e garganta poderá correr atrás da prevenção a tempo contra a doença e isso é bom demais. Ajude você também a disseminar essa ideia!