www.fcv.org.br

Artigos

Imprensa

06/11/2017 - 10h46m - Atualizado em 08/11/2017 - 09h51m

Versão para impressão
Enviar por e-mail
Depois do Outubro Rosa, iniciativa voltada para a conscientização sobre o câncer de mama, o que mais afeta as mulheres, deu início nesse mês, o Novembro Azul, campanha destinada à prevenção do câncer de próstata.

Segundo estimativas do Instituto Nacional do Câncer (Inca), neste ano devem ser registrados 61,2 mil novos casos de câncer de próstata no Brasil. Dados do Ministério da Saúde indicam que 14.484 homens morreram em decorrência da doença no país em 2015. No Brasil, o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens, atrás apenas do câncer de pele não melanoma.

De acordo com o Inca, o câncer de próstata é considerado um tumor da terceira idade, já que cerca de três quartos dos casos no mundo ocorrem a partir dos 65 anos. Dados da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) mostram que 20% dos pacientes são diagnosticados em estágios avançados da doença, o que faz com a taxa de mortalidade chegue a 25% dos pacientes.

O Inca alerta que alguns desses tumores podem crescer de forma rápida, espalhando-se para outros órgãos. A grande maioria, porém, cresce de forma tão lenta, levando cerca de 15 anos para atingir 1 cm³, que não chega a dar sinais durante a vida, nem ameaçar a saúde do homem.

Em setembro, o Inca lançou uma cartilha que trata de aspectos gerais do câncer de próstata e aborda possibilidades e limites para detecção precoce, fatores que podem aumentar o risco da doença, além de sinais e sintomas do tumor.

Clique aqui e acesse a cartilha 'Câncer de Próstata: Vamos falar sobre isso?'

Fonte: Instituto Nacional do Câncer (Inca)





01/11/2017 - 13h26m

Versão para impressão
Enviar por e-mail
No dia 31 de outubro, Daniela Abreu, fonoaudióloga da empresa Atos Medical, ministrou uma palestra, no Centro de Educação Corporativa da Fundação Cristiano Varella, para os pacientes laringectomizados totais que utilizam a prótese traqueoesofágica e que fazem tratamento na instituição. Durante a palestra, que contou com a presença da fonoaudióloga da Fundação, Camila Almeida, Daniela apresentou a possibilidade de reabilitação pulmonar através de filtros e adesivos PROVOX, sendo alguns sorteados aos presentes e no final ainda realizou a aplicação do material em dois de nossos pacientes laringectomizados.

O Sistema PROVOX, oferece uma gama completa de próteses fonatórias e fornecem aos utilizadores uma boa qualidade de voz, reduzido esforço fonatório, conforto e facilidade de manutenção do dispositivo. Esses produtos são os preferidos a nível global e são os resultados de 25 anos de inovação e desenvolvimento contínuos de produtos.

A próxima visita da fonoaudióloga Daniela já está agendada para dezembro e a ideia é criar um coral com os nossos pacientes laringectomizados que fazem uso de voz esofágica, prótese, laringe eletrônica, fala bucal ou articulação de sons para que eles possam superar suas limitações.

Entenda o que é uma laringectomia
O que é uma Laringectomia total?
A Laringectomia total é a retirada da laringe.

Por que a Laringectomia total tem que ser feita?
A Laringectomia total é necessária por existir um tumor que afeta as cordas vocais (ou partes da laringe). Após a laringectomia, há uma modificação dos caminhos da condução do ar e da alimentação: a inspiração do ar passa a ser feita pelo traqueostoma (orifício no pescoço). Os aparelhos respiratório e digestivo tornam-se separados e independentes.

Por que tem que haver uma abertura no pescoço?
Essa abertura, chamada traqueostoma, é necessária para a entrada e saída de ar dos pulmões. Após a laringectomia o ar não poderá circular nem pela boca nem pelo nariz, como acontecia antes.

Vou sempre respirar por esta abertura?
Sim, esta é a melhor forma encontrada para facilitar a respiração do laringectomizado total. A via digestiva já não se comunica mais com a via respiratória e, esta abertura definitiva no pescoço, é necessária para manter você vivo.

O que é cânula traqueal?
É um tubo curvado de metal ou de plástico, com uma pequena chapa protetora (para fixação).

Por que devo usar a cânula traqueal?
A cânula impede o fechamento do traqueostoma

Durante quanto tempo precisarei usar a cânula? 
Alguns pacientes a usam permanentemente, outros, por um determinado período de tempo. Isto varia de indivíduo para indivíduo de acordo com a cicatrização do traqueostoma. Seu médico saberá o momento certo de retirá-la.

É importante a limpeza com a cânula? Qual a melhor maneira de limpá-la?
É importante manter a cânula limpa por questões higiênicas e para evitar que a secreção nela acumulada traga dificuldades respiratórias. A frequência da limpeza depende da quantidade de muco acumulado. Lembre-se que é por este orifício que você respira. A cânula pode ser limpa com uma escova cilíndrica, sabão neutro e água corrente, pelo menos uma vez por dia, conforme a ilustração.


Devo proteger a traqueostomia contra a poeira?
Sim, pois a passagem do ar diretamente pelo traqueostoma (sem passar pelas cavidades nasais, onde normalmente é aquecido, umedecido e filtrado) exige o uso de uma proteção para impedir que partículas de poeira ou corpos estranhos cheguem aos pulmões. A traqueia deve ser, portanto, protegida contra poeira com uma cobertura apropriada.

Quais são os sintomas que indicam que há excesso de poeira na traqueia? O que posso fazer neste caso?
Normalmente um acesso de tosse o avisa do excesso de poeira que provoca a irritação. Outro sinal comum aparece através da secreção que, após algumas horas, adquire uma coloração diferente e sua consistência fica mais pegajosa. 

Que tipo de protetor poderei usar no traqueostoma?
Uma cobertura (tipo babador) feita de crochê é usada mais frequentemente. Este protetor deve cobrir o traqueostoma, protegendo-o, sem impedir a passagem do ar. 

Qual é a melhor maneira de tomar banho?
É preciso cuidado para não deixar entrar água pelo traqueostoma. Você certamente encontrará uma boa maneira para se proteger. Abaixando a cabeça ou protegendo o traqueostoma com a mão.

Hábitos do cotidiano

Posso continuar a fumar? 
Não pode. Além dos efeitos negativos do fumo, a sua respiração agora é feita pelo traqueostoma.

Posso tomar bebidas alcoólicas?
As bebidas alcoólicas devem ser evitadas.

Será que poderei voltar a trabalhar? Quando?
Você poderá voltar ao trabalho desde que seu estado geral de saúde lhe permita (dependendo também, é claro, do tipo de trabalho que você fazia antes da cirurgia). É necessário, nestes casos, conversar com seu médico sobre este problema.

Conseguirei levantar objetos pesados?
É possível que você não consiga levantar pesos como fazia antes. Em alguns casos, dependendo de uma pessoa para outra, com o decorrer do tempo isto pode ser possível. Converse com seu médico.

Poderei ter dificuldades ao engolir?
Isto não é muito comum, embora alguns pacientes possam sentir esta dificuldade. Caso isto aconteça, procure seu médico.

Será necessário ir ao médico periodicamente para fazer exames?
É muito importante que você compareça às revisões nas datas marcadas. Isto é fundamental para o controle de sua saúde.

Algum tipo de clima pode me fazer mal?
O clima quente é bom. Devem ser evitados os climas frios, secos ou os ambientes poluídos.


Acúmulo de secreções

Por que há maior eliminação de secreções pela manhã?
Todos os laringectomizados acumulam mais muco devido à quantidade maior de partículas que inalam, por falta do filtro natural, que é a mucosa da cavidade nasal. Lembre-se que no laringectomizado as narinas não filtram mais o ar inspirado. Depois de várias horas de sono, quando o reflexo da tosse está diminuído, há um acúmulo de muco maior que será todo eliminado pela manhã.

Qual é a melhor maneira de limpar o traqueostoma?
Tossindo e limpando a secreção expelida com cuidado. Ao tossir provocamos uma ação muscular que expulsa o muco mais facilmente. Caso você perceba vestígios de sangue no muco, marque uma consulta com seu médico. 

É possível colocar remédio no traqueostoma quando há infecção?
Sim, isto é possível desde que você peça orientações ao seu médico.


 Voz esofágica

Existe alguma maneira que me permita falar novamente?
Sim, através da voz esofágica. Você não perdeu a fala nem a linguagem e sim, a voz laríngea. A voz esofágica é uma alternativa de comunicação para o laringectomizado total.

Quem me ajudará a aprender a usar a voz esofágica?
Um fonoaudiólogo lhe dará as orientações adequadas para a reabilitação da voz. O sucesso da reabilitação vocal dependerá também de você. A reabilitação total é um trabalho coletivo no qual todos devem colaborar, inclusive os familiares.


O que é a voz esofágica? Como é produzida?
É uma alternativa para a ausência de voz laríngea. A voz esofágica é produzida pela expulsão do ar que vem do esôfago que, ao fazer vibrar as suas paredes, emitem um som. Este som se transforma em sílabas, palavras e frases até o domínio total da fala. É importante lembrar que o ar que vem dos pulmões (sai pelo traqueostoma) segue um caminho diferente do ar que vem do esôfago (vai para a boca). Depois da laringectomia total estas estruturas ficam independentes.



Quando poderei começar a aprender a falar assim?
O ideal é você começar logo que recebe alta do hospital. Seu médico lhe encaminhará no momento certo, considerando sua situação clínica.

Quanto tempo levarei para aprender a falar com a voz esofágica?
É difícil estimar o tempo. Os resultados dependerão também de você, de sua facilidade de emitir o primeiro som e de uma prática constante.

Como fazer para usar bem a voz esofágica?
Através da prática diária, sempre seguindo as instruções do seu fonoaudiólogo.

Poderei voltar a falar no telefone?
Sim, poderá. A voz esofagiana é bastante nítida quando falada pelo telefone. Lembre-se que o telefone funciona como um amplificador, que pode melhorar bastante a clareza de sua comunicação.

O estado emocional interfere na voz esofágica?
Sim. Normalmente, quando as pessoas ficam emocionadas, elas sentem dificuldade para falar.

Como ficará minha vida sexual?
Ficará exatamente como estava antes da cirurgia. A compreensão do seu parceiro será muito importante para a recuperação de sua vida sexual. Lembre-se que a reabilitação total do laringectomizado é fruto de um esforço coletivo entre pacientes, profissionais e familiares.

Onde posso encontrar um fonoaudiólogo para me ajudar?
Pacientes do Hospital do Câncer de Muriaé da Fundação Cristiano Varella, tem total assistência do fonoaudiólogo responsável na instituição.


Problemas respiratórios

O que fazer para socorrer um laringectomizado com problemas respiratórios?
Inicialmente, verifique se ele está usando a cânula. Caso sim, retire-a para observar se a respiração melhora (no caso da cânula estar entupida). Já se o paciente não estiver usando a cânula (ou não houver melhora com a sua retirada), o problema pode estar sendo causado por um acúmulo de secreções na traqueia. Sendo assim, faça a pessoa tossir com muita força para que as secreções saiam.







31/10/2017 - 09h27m

Versão para impressão
Enviar por e-mail
Foi realizado durante os dias 26 e 27 de outubro, no auditório do Hospital do Câncer de Muriaé da Fundação Cristiano Varella, o 37º Seminário de Avaliação dos Indicadores, onde todos os setores da instituição puderam apresentar os números e os resultados de seus processos relativos ao período de janeiro a setembro de 2017.

O Seminário de Avaliação dos Indicadores é uma prática adotada pela Gestão da Qualidade desde o ano de 2005. É o momento onde todos têm a oportunidade de demonstrar seus resultados e conhecer os resultados de outros setores. O Seminário representa uma ocasião para análise crítica, para levantamento de oportunidades de melhoria e reconhecimento de melhorias já conquistadas. Nele acontece uma imensa troca de conhecimentos, um aprendizado constante de novas maneiras de fazer o melhor para aprimorar os processos e atender com qualidade e segurança nossos pacientes.







30/10/2017 - 14h44m

Versão para impressão
Enviar por e-mail
No dia 16 de outubro de 2017, o Hospital do Câncer de Muriaé da Fundação Cristiano Varella, recebeu o certificado de participação do ciclo de avaliações do Programa de Avaliação Externa da Qualidade em Imuno-hematologia da Coordenação-Geral de Sangue e Hemoderivados do Ministério da Saúde no ano de 2016.

A Avaliação Externa da Qualidade – AEQ IH, é um programa oficial do Ministério da Saúde de adesão voluntária, confidencial, com caráter educativo e fornecido gratuitamente aos serviços de hemoterapia participantes. Seu objetivo consiste na disponibilização de controle de qualidade externo como ferramenta de gestão da qualidade dos serviços laboratoriais de imuno-hematologia de doadores e receptores de sangue. Além disso, contribui com a garantia dos resultados obtidos nos Serviços de Hemoterapia do País e, consequentemente, para o aumento da segurança Transfusional.

Trata-se de uma avaliação interlaboratorial, por meio de testes de proficiência, cuja adesão é voluntária e gratuita, sendo garantida a imparcialidade, a independência e a confidencialidade quanto à identificação dos participantes, seus procedimentos e resultados. Os participantes, por sua vez, recebem relatórios de desempenho individuais e globais e podem avaliar sua própria prática.

O AEQ constitui um importante instrumento com foco educacional e não-punitivo, que permite a comparação de resultados entre laboratórios hemoterápicos, a identificação de problemas e pode subsidiar ações corretivas e preventivas em um processo de aperfeiçoamento contínuo.

Ao aderir ao Programa, o Serviço de Hemoterapia do Hospital do Câncer de Muriaé, recebeu, durante o ano de 2016, cinco avaliações, sendo três avaliações práticas e duas avaliações teóricas.

Esse excelente trabalho é realizado pela Agência Transfusional do HCM/FCV e os resultados positivos demonstram a qualidade e o cuidado com que são realizados todos os trabalhos na instituição. A preocupação em manter a qualidade ao longo dos anos, buscar o aprimoramento e melhorar a prestação dos serviços, garantiu ao Hospital do Câncer de Muriaé esse reconhecimento.







30/10/2017 - 13h33m

Versão para impressão
Enviar por e-mail
Na manhã do dia 30 de outubro, aconteceu no auditório do Hospital do Câncer de Muriaé da Fundação Cristiano Varella, mais uma edição do projeto "De bem com você – a beleza contra o câncer". A iniciativa é realizada através de uma parceria entre a FCV e a Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (ABIHPEC) e tem como objetivo oferecer às pacientes em tratamento oncológico uma nova forma de olharem para si mesmas, ajudando a aumentar a autoestima e despertando nelas, a percepção de que podem enfrentar essa doença bonitas e sem perderem a vaidade feminina. Para isso, é realizada uma oficina de auto maquiagem com dicas de utilização de lenços e turbantes. Hoje, a oficina foi ministrada pela maquiadora voluntária, Nildilene Mendes.

Na oportunidade, participaram da oficina oito pacientes. Elas ganharam um kit doado pelo instituto ABIHPEC, idealizador da iniciativa, em conjunto com algumas das maiores empresas mundiais de cosméticos como, Avon, Baruel, Johnson & Johnson, L'Oreal, Mary Kay, P&G, Unilever e outras. Essas empresas apoiam e patrocinam o projeto. Dentro dos kits as inscritas encontraram itens de maquiagem, lenços, turbantes, cosméticos para pele e cabelo, entre outros produtos. 

As oficinas serão realizadas na Fundação Cristiano Varella uma vez por mês, podendo estender-se até para duas vezes por mês, dependendo do número de inscrições. As pacientes do Hospital do Câncer de Muriaé interessadas em participar poderão entrar em contato com João Motta, coordenador da Humanização e responsável pelo projeto, através do e-mail joao.motta@fcv.org.br, pelo telefone (32)3729-7065 ou procurando-o pessoalmente na Fundação Cristiano Varella. As inscrições só serão realizadas para as pacientes que ainda não participaram da oficina.  







27/10/2017 - 11h45m

Versão para impressão
Enviar por e-mail
No dia 26 de outubro, aconteceu no auditório do Hospital do Câncer de Muriaé da Fundação Cristiano Varella, o curso de Atualização em Tecnologias da Saúde oferecido pelo Laboratório Bristol-Myers Squibb, para médicos e farmacêuticos. Entre as principais áreas de atuação da companhia estão a oncologia, virologia, imunologia, neurologia e doenças cardiovasculares. 

O curso foi ministrado por Diego Kashiura, Consultor de Economia da Saúde & Acesso ao Mercado na Evidências – Kantar Health. O mesmo desenvolve projetos de avaliação de tecnologias em saúde, com foco em precificação, acesso ao mercado e incorporação. Kashiura é Farmacêutico-Bioquímico pela Universidade Estadual Paulista (UNESP) e cursou Economia da Saúde e Farmacoeconomia na St. John’s University (EUA). Possui experiência em Saúde Pública e desenvolveu um projeto sobre os determinantes sociais da saúde e sua influência nos sistemas de saúde no New York University Langone Medical Center. 

Diego Kashiura abordou vários temas relacionados à economia da saúde, bem como análises e estudos de custos e doenças. O curso foi de proveito para todos os presentes que puderam aprender sobre a qualidade dessa empresa que está há mais de 60 anos no mercado, e vem se posicionando no desenvolvimento e comercialização de medicamentos destinados ao tratamento de doenças complexas, com foco em produtos para doenças em que não existem alternativas terapêuticas disponíveis.







11/10/2017 - 14h53m

Versão para impressão
Enviar por e-mail
No dia 09 de outubro, a exposição sobre a música foi inaugurada no Memorial da Fundação Cristiano Varella.

A música é um tema abrangente e encantador. É extremamente raro encontrar alguém que afirme não gostar de música; afinal ela pode ser de um calmante para a alma até um suplemento para o corpo. Há uma miríade de gêneros e artistas nessa indústria, e é possível satisfazer os gostos mais pessoais, especialmente com a facilidade de acesso à informação implementada com a internet. Mas como funcionava a indústria da música antes do avanço tecnológico tomar de assalto nossas vidas? Quem plantou as sementes das inspirações dos artistas e bandas atuais? Na nova exposição do Memorial você poderá explorar a história da música a partir do momento em que se tornou fácil ouvi-la no conforto de nossas casas através do rádio. Prepare-se para conhecer as maiores personalidades da indústria fonográfica entre a década de 40 até a virada do milênio, e as principais tecnologias, hoje em sua maioria obsoletas, de guarda e reprodução de músicas.

Venha nos fazer uma visita, e se deslumbre com o universo da música!

Horário de funcionamento do Memorial:
- Segunda a sexta-feira: 9h às 15h45
- Domingo: 14h às 17h40







11/10/2017 - 14h30m

Versão para impressão
Enviar por e-mail
Ser criança é achar que o mundo é feito de fantasias, sorrisos e brincadeiras. Ser criança é comer algodão doce e se lambuzar. Ser criança é acreditar num mundo cor-de-rosa, cheio de pipocas. Ser criança é olhar e não ver o perigo. Ser criança é sorrir e fazer sorrir. Ser criança é chorar sem saber por quê. Ser criança é querer ser feliz. Ser criança é se esconder para nos preocupar. Ser criança é errar e não assumir o erro. Ser criança é pedir com os olhos. Ser criança é derramar uma lágrima para nos sensibilizar. Ser criança é isso e muito mais. É nos ensinar que a vida, apesar de difícil, pode tornar-se fácil com um simples sorriso. É nos ensinar que criança só quer carinho e afeto. É nos ensinar que, para sermos felizes, basta apenas olharmos para uma criança!

Todo ano, a Fundação Cristiano Varella comemora o Dia das Crianças com muita alegria e diversão. E esse ano não poderia ser diferente! No dia 10 de outubro, aconteceu no Memorial da Fundação uma festa muito animada para nossas crianças. 

A festinha que foi um tremendo sucesso, contou com brinquedos, doces, brincadeiras, presentes, guloseimas, muita música, cultura e principalmente AMOR! Graças ao apoio dos nossos colaboradores, que fazem parte do grupo de Humanização da instituição e dos voluntários de Muriaé e região, o Dia das Crianças dos nossos pequenos guerreiros foi mais que especial!

Temos muito a agradecer a cada um que doou seu tempo, seu trabalho, carinho e dedicação para alegrar nossas crianças.

"Doemos o nosso sorriso a elas, sejamos alegres. Mostremos a elas a criança que existe em nós. Elas são o nosso futuro e precisam ser felizes para nos fazer felizes".

Um obrigado muito especial a Elzana de Oliveira, proprietária da Baladinha Kids Decor, que decorou a festa com o tema de circo, a NinArt’s que realizou pinturas faciais, a Artsom que animou a festa com muita música, a Distribuidora Damata que doou os refrigerantes, a Araçagy que doou os picolés, a Marcilaine de Muriaé que fez e doou os doces e guloseimas, a Mikaely Graciolli de Cataguases que doou sacolinhas de presentes e enfeites, a Maíza Ramos que doou um bolo delicioso, a Pollyana Matos que doou seus livros, ao Otávio da OkCabine que forneceu uma cabine de fotos com o tema personalizado do Dia das Crianças, ao Sandro e esposa do ‘Mió que tá teno Fest’ que doaram pipoca e algodão doce, Salão Visage, Cid Ateliê, Rita Cássia Paula, Panificadora Peniel, Rafaella Modas e amigos, Viviane Lima, Meire Buffets, Marcelina bolos, Serra do Sol restaurantes, Sacolão do Davi, aos colaboradores do Memorial da FCV, GTH, Marketing, SAME, Serviço de Higienização e Limpeza, Centro de Estudos, Segurança, Transporte e Manutenção.

A todos vocês, muito obrigado! Obrigado por nos ajudar a trazer alegria a nossas crianças.